Claim Ownership

Author:

Subscribed: 0Played: 0
Share

Description

 Episodes
Reverse
Os últimos 4 anos escancararam a política de “todo mundo armado”, exposta ao público por Bolsonaro (PL) na reunião ministerial de abril de 2020. Dezenas de decretos e portarias assinadas pelo presidente reduziram o controle, o rastreio e a fiscalização de armas e munições. E a flexibilização de requisitos para o registro de CAC (caçadores, atiradores e colecionadores) ampliou para cerca de 700 mil pessoas o direito de comprar até 60 armas (30 delas de uso restrito) e 180 mil balas anualmente. O governo eleito e o grupo de transição responsável pela Justiça e Segurança Pública já anunciaram que uma das prioridades a partir de 1º de janeiro será reverter o “liberou geral” de Bolsonaro para armas de fogo e recuperar normas de controle do Estatuto do Desarmamento, de 2003. Natuza Nery conversa com Flávio Dino (PSB), senador eleito pelo Maranhão e integrante do GT de Justiça e Segurança Pública, e com a advogada e socióloga Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz. Neste episódio você ouvirá: - Flávio Dino aponta para a “grande ameaça” que é o crescimento desenfreado de CACs desde 2019 - já são mais pessoas com o registro do que policiais militares e do que membros do Exército em todo o país; - O senador eleito reforça a posição do próximo governo sobre o aumento de fiscalização de combate ao armamento, que, afirma, “deve ser restrito às forças de segurança”; - Carolina Ricardo alerta para a destinação de armas de fogo de alto poder destrutivo: fuzis chegam às mãos de grupos criminosos via “cooptação de laranjas ou falsificação de cadastro”; - Ela sugere que, para reduzir a quantidade de armas nas mãos dos civis, será necessário estabelecer novas e mais rígidas regras – mas descarta a ideia de confisco.
Em tudo diferente de 20 anos atrás, quando recebeu a faixa presidencial do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Lula (PT) lida com uma transferência de poder atípica. Jair Bolsonaro sequer cumprimentou o adversário, em clima de total falta de cooperação. Lula montou uma equipe de transição com mais de 300 integrantes, mas importantes definições seguem em aberto. Natuza Nery conversa com a jornalista Malu Gaspar, colunista do jornal O Globo. Neste episódio: - Malu relata que a PEC da Transição, projeto urgente, carece da confirmação de um ministro da Fazenda que possa negociar com o Congresso; - Ela explica como o Orçamento Secreto e o Fundo Eleitoral diminuem o espaço de barganha entre o novo governo e os parlamentares; - É no xadrez da política, da formação da base de apoio, "que vai depender todo o futuro governo"; - E indica que as cobranças na nomeação de ministérios como Casa Civil e Fazenda têm uma razão simples: "quanto mais você demora, mais seu adversário toma conta".
Depois de 19 dias recluso no Palácio da Alvorada, Jair Bolsonaro (PL) voltou a dar expediente no Planalto – mas apenas por 5 horas e em regime de silêncio público. Em paralelo à clausura do presidente, o movimento golpista ganhou corpo: os comandantes das Forças Armadas publicaram notas ambíguas e o PL formalizou ao TSE o pedido para anular os votos de 60% das urnas eletrônicas no 2º turno, o que daria a reeleição a Bolsonaro – pedido prontamente indeferido pelo ministro Alexandre de Moraes. Soma-se a isso a onda de milhares de militantes golpistas bloqueando rodovias e pedindo intervenção militar em frente aos quartéis do Exército. Natuza Nery conversa com Jussara Soares, repórter do jornal O Globo de Brasília, e Thomas Traumann, jornalista e pesquisador da FGV. Neste episódio: - Jussara relata o clima de “fim de governo elevado à máxima potência” em torno do presidente. E como foram os melancólicos dias de Bolsonaro recluso no Alvorada; - Como o presidente incentiva e cobra aliados a contestarem os resultados das urnas e a manterem o tom golpista. “Não dá pra dissociar Bolsonaro do pedido do PL", diz Jussara; - Traumann analisa as ações tanto do PL quanto dos comandantes militares para "conduzir Bolsonaro pra uma ação", e assuma seu lugar como líder da oposição; - Ele identifica os papéis que atores políticos como Valdemar da Costa Neto (presidente do PL) e Braga Netto (candidato a vice-presidente) assumiram no vácuo de Bolsonaro. E explica como a manutenção do caos é estratégia para deslegitimar o governo eleito. “Eles precisam ter algo para se agarrar em janeiro, quando deixarem a Presidência”, afirma.
Ícone da Jovem Guarda, autor de mais de 600 músicas - entre elas clássicos como “Minha Fama de Mau”, “É proibido fumar” e “Quero que tudo vá para o inferno” -, Erasmo morreu neste 22 de novembro, aos 81 anos. Pai do rock nacional, foi parceiro de Roberto Carlos, com quem formava “a dupla Lennon e McCartney” brasileira. Neste episódio, Natuza Nery conversa com Marcelo Froes, produtor musical que trabalhou com Erasmo, autor do livro "Jovem Guarda, em ritmo de Aventura". Neste episódio: - Marcelo diz que Erasmo “trouxe a linguagem do rock para o Brasil", inspirado em Elvis Presley e Marlon Brando; - Superou o preconceito da crítica em relação à Jovem Guarda e firmou inúmeras parcerias, de Wanderléia, a Bethânia, Marisa Monte, Skank e Emicida; - Discos de Erasmo tem “uma assinatura própria”, ao longo dos mais de 60 anos de carreira; - “Erasmo estava feliz”, depois de receber um Grammy pelo disco “O Futuro Pertence à Jovem Guarda”, na semana da morte do Tremendão.
Depois de duas semanas de negociações na Conferência do Clima da ONU, representantes de mais de 200 países chegaram a um acordo para criar um fundo de compensação às nações mais vulneráveis a eventos extremos. Por outro lado, a COP 27 falhou ao não firmar uma meta de desaceleração de emissão dos gases causadores do efeito estufa. Neste episódio, Natuza Nery conversa com Daniela Chiaretti, repórter especial do jornal Valor Econômico que acompanhou a COP no Egito, e José Eli da Veiga, professor do Instituto de Estudos Avançados da USP. Você irá ouvir: - Daniela relembra a resistência histórica de países ricos em aceitar a criação do fundo de perdas e danos, e detalha os três principais motivos para isso; - A jornalista explica o que levou à maior “derrota" da COP-27: a ausência de acordo na diminuição até zerar o uso de combustíveis fósseis; - José Eli da Veiga avalia que o fundo é "uma espécie de reconhecimento de fracasso", e lamenta que, ao não dar centralidade à redução das emissões, os debates hoje sejam apenas sobre “como é que vamos salvar as primeiras vítimas"; - Ele aponta os erros históricos nas negociações pelo clima e explica por que, a partir do momento que o sistema financeiro entrou nas discussões sobre redução de emissões, foram criados os mecanismos de compensação que “animaram” o setor privado.
A Copa do Catar

A Copa do Catar

2022-11-2128:494

Na estreia de Natuza Nery no comando de O Assunto, o podcast fala sobre o Mundial da Fifa, que acumula polêmicas desde 2010, quando o país-sede foi anunciado. Desde então, acumulam-se denúncias de ataques aos direitos humanos: uma lista que contempla mortes de trabalhadores, intolerância contra pessoas LGBTQIA+ e restrições de liberdade para as mulheres. Neste episódio, Natuza Nery conversa com a narradora da TV Globo Renata Silveira, a primeira mulher a narrar uma Copa do Mundo em rede aberta no Brasil, e Eric Faria, repórter que cobre seu quarto mundial e acompanha o Mundial direto do Catar. Você vai ouvir: - Renata Silveira conta a relação dela com Copas passadas, desde a conquista do penta, em 2002, até a eliminação contra a Bélgica, em 2018; - A narradora detalha inspirações e desafios: “Espero que nesta Copa, as meninas liguem a TV e vejam muitas mulheres narrando e comentando jogos de futebol”; - Há mais de dois meses vivendo no Catar, Eric Faria relata “situações chocantes” que viu em relação à igualdade de gênero: “Mulheres precisam pedir autorização do marido para trabalhar ou para estudar”; - Ele conta também as histórias inspiradoras que conheceu na sede do Mundial, caso da primeira mulher comerciante do Catar e da única pilota aero desportiva do país.
A partir do dia 21 de novembro, segunda-feira, o podcast diário do g1 será apresentado por Natuza Nery. “Vai ser uma alegria imensa ser a sua companhia diária”, diz Natuza. De segunda a sexta, bem cedinho, sempre um episódio novo para você entender o assunto mais importante do momento.
Desde que o Tribunal Superior Eleitoral certificou sua vitória nas urnas, Lula (PT) mira subir a rampa do Palácio do Planalto com uma promessa de campanha assegurada: a manutenção do Auxílio Brasil (que voltará a se chamar Bolsa Família) em R$ 600 por família mais R$ 150 por criança de 0 a 6 anos. Para isso, a equipe de transição de Lula apresentou ao Congresso o texto-base para a Proposta de Emenda à Constituição que excluiria benefícios sociais do teto de gastos, mas com alguns poréns: “o texto apresentado traz outras coisas”, afirma Ana Flor, comentarista da Globonews e colunista do g1. A primeira versão apresenta mais situações de exceção ao teto, que poderiam estourá-lo em mais de R$ 200 bilhões em 2023. Em conversa com Julia Duailibi, a jornalista conta os bastidores das negociações entre Legislativo e novo governo e destaca que o ponto mais sensível é a definição do prazo temporal para que o Bolsa Família fique fora da regra fiscal. Para a gestão Lula, avalia Ana Flor, garantir quatro anos de licença seria uma “vitória política” que abriria espaço para uma agenda de reformas tributária e administrativa. Ela recorda ainda que, embora tenha mais 40 dias no poder, o governo Bolsonaro está paralisado e vê ex-aliados sinalizarem apoio ao petista: “ele está simplesmente a reboque dos partidos”, afirma.
Desde que o país recusou sediar a COP-25 – uma das primeiras decisões do então presidente-eleito Jair Bolsonaro (PL, então no PSL) – a política climática brasileira foi rebaixada à posição de pária global. Durante os últimos quatro anos, a Amazônia registrou recordes de desmatamento e o Brasil se tornou o quinto maior emissor de gases de efeito estufa. Nesta quarta-feira, o “discurso contundente” do presidente-eleito Lula (PT) na 27ª Conferência do Clima atraiu os olhos de “observadores e negociadores de todo o mundo”. É o que testemunhou, diretamente de Sharm El Sheikh, no Egito, a administradora pública especialista em mudanças climáticas Natalie Unterstell. Em entrevista a Julia Duailibi, ela, que é também presidente do Instituto Talanoa, relata a expectativa dos representantes em relação à volta do país aos compromissos climáticos. “Há esperança, mas também cobrança”, diz. Na agenda política interna, Lula sinalizou a necessidade de “fortalecer alianças” com estados e municípios para avançar em direção a uma “economia descarbonizada”. Para os agentes internacionais, avalia Natalie, foram bem recebidos o compromisso de zerar o desmatamento de todos os biomas até 2030 e a “tímida” pressão sobre os países desenvolvidos para “cumprirem os acordos que podem conter a crise climática”.
Foram meses de relaxamento de medidas de proteção, com índices de transmissão e de novos casos em baixa. O alerta voltou a soar no início de novembro, com o aumento exponencial na busca por exames em laboratórios e farmácias. Na sequência, veio a alta na média móvel de casos, puxada pela subvariante BQ.1, da ômicron. “Estamos vendo apenas a pontinha do iceberg”, avalia a infectologista Rosana Richtmann em conversa com Julia Duailibi. Para ela, o número real de casos é muito maior do que o registrado. “É importante que as pessoas se testem e tomem o cuidado para não expor os outros”, lembra. Ela explica que a BQ.1 tem transmissibilidade maior, ainda sem indicar maior gravidade. E argumenta o caminho para frear novas variantes: a adoção de vacinas atualizadas. “Mais uma vez estamos atrasados” na aquisição desses imunizantes, diz. Rosana reforça ainda situações em que é essencial voltar a usar máscaras: no transporte público, dentro de farmácias, em unidades de saúde e para todos os imunossuprimidos.
Podcast diário do g1 será apresentado por Natuza Nery a partir do dia 21 de novembro. No comando do podcast por mais de 3 anos e 834 episódios, Renata gravou um agradecimento aos ouvintes e à equipe do g1. Nos próximos dias, O Assunto será apresentado por Julia Duailibi.
Por uma combinação de fatores econômicos e políticos, muitos esperavam que as chamadas “midterms” produzissem uma “onda vermelha”. Traduzindo: que o Partido Republicano (representado por essa cor) desse uma surra no Partido Democrata (do presidente Joe Biden) no pleito para renovar toda a Câmara dos Deputados e parte do Senado, além de cargos em Executivos estaduais. Ainda há muito a contabilizar dos votos depositados nas urnas nesta terça-feira, mas os resultados já conhecidos mostram uma realidade mais complexa. Os democratas perderam, sim, o controle da Câmara, porém o do Senado continua em aberto. E, do lado republicano, vários candidatos patrocinados pelo ex-presidente Donald Trump se deram mal. Neste episódio, o último de Renata Lo Prete no podcast, ela conversa com Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da FGV-SP, para entender os recados dos eleitores americanos. “O clima piorou muito”, diz ele sobre o aumento da violência política no país. Stuenkel fala também da transformação do Partido Republicano “em uma agremiação populista com fortes tendências antidemocráticas”. E, apesar dos percalços de Trump, ainda aposta nele como mais provável adversário de Biden em 2024.
Para refletir sobre a trajetória de uma das maiores cantoras da história da música brasileira, que morreu neste 9 de novembro aos 77 anos, O Assunto recebe um “doce bárbaro” como ela, parceiro desde o primeiro show, em 1964 em Salvador. Na conversa com Renata Lo Prete, Gil celebra não apenas a voz única, mas também a capacidade de eterna transformação dessa “tropicalista inata”, que em mais de 40 álbuns mergulhou em quase todos os gêneros de canção, colecionando sucessos como “Meu Nome é Gal”, “Baby”, “Força Estranha”, “Gabriela” e “Festa no Interior”. “Gosto daquelas onde há vivacidade, contrição religiosa, tristeza... e gosto ainda mais de suas canções alegres", confidencia ele. Ao longo do episódio, Gil resgata desde sua memória mais antiga de Gal (em uma lanchonete na capital baiana) até lembranças da turnê que fizeram juntos em 2018. “Ela tinha compreensão profunda da extraordinária primazia que o som e as artes produzidas através dele têm", afirma.
Eventos extremos cada vez mais frequentes, em um planeta que não para de esquentar. No intervalo de um ano desde a última Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, assistimos às inundações que mataram milhares de pessoas no Paquistão, à seca recorde na Europa e a chuvas devastadoras na costa brasileira, entre outros desastres. Acordos para mitigar os danos e fazer as adaptações existem, mas o mundo tem imensa dificuldade em tirá-los do papel. Agora, na COP-27, que se desenrola até 18 de novembro no Egito, “o momento é de implementação de tudo o que foi prometido”, acredita Ana Toni, ex-presidente do conselho do Greenpeace Internacional e diretora-executiva do Instituto Clima e Sociedade. Neste episódio, ela conversa com Renata Lo Prete diretamente do balneário de Sharm el-Sheikh, na costa do Mar Vermelho, onde acontece o encontro. Para a economista, a discussão sobre quem pagará a conta da emergência climática está vencida. A questão é exigir dos países ricos que os recursos já combinados cheguem às populações mais vulneráveis no fluxo necessário, e não mais “a conta-gotas”. Ana fala também da expectativa quanto à participação brasileira - Lula irá à COP na próxima semana. “Há sensação de esperança”, diz.
Meia década atrás, em resposta à escalada da dívida pública, o Brasil adotava uma nova âncora fiscal, que limita o crescimento da maior parte das despesas da União à inflação do ano anterior. De lá para cá, essa construção balançou e sofreu muitos remendos, diante de realidades como a pandemia e o vale-tudo da campanha pela reeleição. “Estamos no limite do teto há muito tempo”, afirma Monica de Bolle, pesquisadora do Peterson Institute for Internacional Economics e professora da universidade Johns Hopkins. E os seguidos truques para burlá-lo acabam por “minar sua credibilidade”. Na conversa com Renata Lo Prete, a economista credita parte do problema ao “desenho” definido no governo Temer, rígido demais e sem “válvulas de escape” para usar quando a situação do país exigir. Para ela, a largada de um novo governo “abre boa oportunidade” para que se estabeleça uma regra fiscal melhor, não sem antes atender ao imperativo de “reconstruir a base dos programas sociais”.
No primeiro pronunciamento depois da derrota nas urnas, Jair Bolsonaro festejou seu mandato como o período no qual “a direita surgiu de verdade em nosso país”. Ex-ministros e outros colaboradores do presidente se deram bem em disputas por governos estaduais e vagas no Legislativo federal, movimento paralelo ao do avanço do Centrão. A despeito do estímulo ao golpismo e de outras potenciais encrencas com a Justiça, "Bolsonaro está muito bem posicionado” para liderar esse campo político no qual “a extrema-direita hegemonizou a direita”, afirma o filósofo Marcos Nobre, presidente do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). E conta, para isso, com o “partido digital” que o promove e destrói adversários desde 2018. Na conversa com Renata Lo Prete, o autor de “Limites da Democracia” explica de que maneira esse quadro impacta o governo eleito. Para Nobre, a estabilidade política dependerá não apenas da capacidade de Lula de entregar alguma prosperidade e ampliar a coalizão para muito além do PT. “É fundamental também que surja no país uma direita democrática”, capaz de concorrer com os bolsonaristas.
Ambos passaram os respectivos mandatos lançando descrédito sobre o sistema eleitoral pelo qual chegaram ao poder. Derrotado na tentativa de obter o segundo mandato, o americano investiu meses na contestação do resultado, até insuflar a invasão ao Congresso em 6 de janeiro de 2021. Por aqui, a apuração rápida e segura, encerrada na noite do próprio domingo, inviabilizou qualquer questionamento à Justiça Eleitoral, a despeito das ameaças prévias do presidente. E este então se recolheu num silêncio de dois dias que foi a senha para os bloqueios ilegais em rodovias. Na comparação com os Estados Unidos, o Brasil padece de duas desvantagens, avalia Guilherme Casarões, professor da FGV-SP e coordenador do Observatório da Extrema-Direita. Primeiro, “um ímpeto golpista mais presente”. Depois, a opacidade das Forças Armadas, que se associaram ao atual governo e jamais manifestaram de forma inequívoca seu compromisso com a ordem constitucional. O cientista político chama a atenção para a ambiguidade das falas de Bolsonaro - que orientou os manifestantes a sair das estradas na mesma mensagem em que voltou a estimular outros atos de cunho golpista. Segundo Casarões, o presidente derrotado “vive um dilema”: quer manter seus radicais motivados e, ao mesmo tempo, não se inviabilizar como líder da oposição ao futuro governo petista.
Fundado em 1980, na esteira de uma greve de metalúrgicos que deu projeção nacional a sua principal liderança, o Partido dos Trabalhadores chegou à Presidência da República 22 anos depois e lá ficou por dois mandatos de Lula e “um e meio” de Dilma Rousseff - alvo de impeachment em 2016. A partir daí, o partido atravessou um longo deserto até receber das urnas, no último dia 30, a missão de voltar ao Palácio do Planalto e “reorganizar a democracia”, em processo muito semelhante ao levado a cabo por Ulysses Guimarães e o PMDB ao final da ditadura, avalia Celso Rocha de Barros, convidado de Renata Lo Prete neste episódio. Autor do livro recém-lançado “PT, uma história”, o sociólogo avalia que se trata do “último grande partido ainda de pé” no país. Para ele, neste terceiro mandato de Lula é possível que a militância passe por uma “crise de identidade”, a partir da necessidade de fazer alianças mais ao centro - com personagens como Simone Tebet (MDB) e Eduardo Paes (PSD). Ele explica como a transição Bolsonaro-Lula pode definir a política econômica na largada do novo governo. “Quando Lula assumiu em 2003, sabia que não tinha ninguém pronto para dar golpe, o que lhe permitiu tomar medidas impopulares na economia”, lembra. E conclui falando sobre o desafio de lidar com Bolsonaro. “Essa é a grande questão da política brasileira”: com o futuro ex-presidente liderando a oposição será preciso “se preparar para uma década de instabilidade”.
Os dois dias de silêncio do presidente da República serviram de combustível para o bloqueio de rodovias em 24 estados por seguidores inconformados com a derrota nas urnas, movimento antidemocrático que causou prejuízos de todo tipo, além de deixar Bolsonaro isolado até dentro do próprio governo. Quando finalmente se pronunciou, passou a mão na cabeça dos desordeiros e não mencionou o adversário eleito, mas reconheceu implicitamente o resultado ao agradecer os votos recebidos e dar púlpito ao ministro da Casa Civil para declarar iniciada a transição. “Ele tentou tirar as meias sem descalçar os sapatos”, diz Maria Cristina Fernandes em conversa com Renata Lo Prete. Para a colunista do jornal Valor Econômico, Bolsonaro adotou tom de “vitimização” já de olho em eleições futuras e porque tem uma “bola de ferro amarrada nos pés” - pela primeira vez em mais de três décadas, não desfrutará de foro privilegiado. Na avaliação de Maria Cristina, a toada será essa nas próximas semanas: “ele vai esticar a corda até o último dia”.
Vinte anos depois de ser eleito pela primeira vez, Lula terá que lidar com uma troca de guarda em tudo diferente daquela de 2002. A começar pelo fato de que, mais de 24 horas depois de anunciado o resultado, o adversário ainda não havia se pronunciado sobre a derrota. "Entre uma opção pacífica e o confronto”, o governo de Jair Bolsonaro (PL) “sempre escolheu o confronto", diz Thomas Traumann, pesquisador da FGV e colunista da revista Veja, que volta ao podcast para dar sequência à conversa com Renata Lo Prete sobre os resultados do 2° turno. O jornalista relembra “a transição modelo” entre Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Lula. Agora será outro padrão, prevê ele. Thomas explica as regras previstas na lei que rege as transições, como a indicação, pelo presidente eleito, de nomes que terão acesso a documentos e informações antes da posse, em 1º de janeiro. Autor do livro “O Pior Emprego do Mundo”, sobre ministros da Fazenda, Thomas elenca os perfis dos possíveis escolhidos para o cargo na próxima administração. Para ele, a experiência de negociação com o Congresso é um dos ativos mais importantes, o que poderia render a indicação a quadros petistas como o governador Rui Costa (BA) e o deputado federal Alexandre Padilha (SP). Mas Thomas pondera que uma conjuntura econômica mais delicada poderia favorecer “um nome de maior confiança” do mercado, como o de Henrique Meirelles. Para ele, os sinais emitidos até aqui pela equipe do presidente eleito sugerem "um governo menos petista que os dois primeiros de Lula".
Comments (545)

Alex Freire

Renata ou Natuza... tanto faz. Amo as duas. 😍❤️

Nov 20th
Reply

Clayde Teixeira

precisa acabar com qualquer benefício especial pra parlamentares votarem nos projetos. eles já são muito bem remunerados nos mandatos. SEM TOMA LA DA CA

Nov 19th
Reply

Vegano mal passado

Renata você mostrou um profissionalismo incrível, muito obrigado por compartilhar tanto conhecimento para um povo sedento por informação de qualidade! Parabéns a toda a equipe de produção, bem-vinda Natuza S2

Nov 15th
Reply

maria jose souza

Obrigada pelas informações de altíssimo nível neste podcast e boa sorte Renata na sua nova empreitada.

Nov 15th
Reply

Vanessa Rosa

Parabéns pelo trabalho Renata! Vou sentir sua falta nos episódios diários! Gosto muito do trabalho da Natuza, então tenho ctz que a qualidade aqui vai continuar! Bjs!

Nov 15th
Reply

BETO VIDIGAL

parabéns pelo seu desempenho pelo projeto de trazer informações tão importantes para povo. o assunto nos ajuda muito a ter acesso a informação. agora seguirá na essa sintonia com Natua. obrigado Renata por esse período tão rico e produtivo.

Nov 11th
Reply (2)

Lázaro de Melo

Obrigado por tanta informação de alta qualidade, Lo Prete.

Nov 11th
Reply

Newton Rodrigues

Sentiremos sua falta! Parabéns pelo trabalho de jornalismo sério!

Nov 11th
Reply (2)

Vegano mal passado

maravilhoso

Nov 1st
Reply

Marcelo Cavalcanti

O Salario é o preço do trabalhador que nada mais é que mais uma mercadoria no sistema capitalista.

Oct 27th
Reply (1)

Marcelo Cavalcanti

O Salario sobe e junto os preços dos itens de consumo. SEMPRE. Viva o Capetalismo.

Oct 27th
Reply

Marcelo Cavalcanti

Salario sobe e o preço dos itens de consumo sobem junto. Sempre! Viva O Capetalismo!

Oct 27th
Reply

Marcelo Cavalcanti

Salario sobe e o preço dos itens de consumo sobem junto. Sempre! Viva O Capetalismo!

Oct 27th
Reply

Jonas Trentin

Qual o problema do Bolsonaro ser amigo do Roberto Jeferson? Vocês falam como se o Bolsonaro tivesse alguma culpa no ocorrido. Quem atirou na polícia foi o Roberto Jeferson, e por que ele quis, ninguém mandou ele atirar. Quem tem que ser responsabilizado é somente o Roberto Jeferson. Parem de querer culpar quem não tem culpa.

Oct 26th
Reply (2)

Marcelo Cavalcanti

Facismo virou populismo agora?????

Oct 20th
Reply

CaiLipe

sou a favor da lista fechada, ajuda na diversidade e não em puxar políticos do interesse do partido (digo principalmente no sentido da representatividade feminina) , pena que não irão ver meu comentário aqui haha

Oct 3rd
Reply

Girlene Santos

a questão de falar línguas, a própria bíblia cita que para que um fale em línguas na igreja, precisa existir um tradutor, portanto para mim a maioria das pessoas que falam em línguas na igreja é pura mentira, pois para muitas igreja pentecostais e neopentecostais o crente tem que falar em línguas. Sinceramente quem fala, fala mais para não ficar por fora e para se sentir mais santo que outros irmãos.

Aug 22nd
Reply

Girlene Santos

Espero que o Anderson perca de lavagem. Marília será nossa governadora.

Aug 17th
Reply

Mário Takazaki

Em poucos dias, a Carta pelo Estado de Direito e a favor do respeito ao voto nas urnas eletrônicas atingiu mais de quinhentos mil assinantes em 30/07. Setores conhecidos da Sociedade Civil como as Centrais Sindicais, os principais Bancos, artistas, juristas, intelectuais, empresários,... assinaram. A "cartinha" (como debochou o presidente) tem muita força.

Jul 30th
Reply

Manoel Serrador Júnior

que discurso idiota

Jul 5th
Reply
loading
Download from Google Play
Download from App Store